Nutrição de culturas para a saúde pública

A agricultura regenerativa deveria ser um modelo agrícola que visa regenerar a saúde pública no mesmo grau que a regeneração da saúde do solo. Afinal, todo fazendeiro  sabe que a saúde e o desempenho do gado estão diretamente relacionados à qualidade de sua nutrição. O mesmo vale para as pessoas. Parte significante da saúde pública é uma responsabilidade da agricultura, independentemente de optarmos por aceitá-la ou não.

Na edição de junho de 1936 da Cosmopolitan, Rex Beach escreveu um artigo sobre a pesquisa do Dr. Charles Northern, que estudou extensivamente a conexão entre a saúde do solo e a saúde humana. O artigo foi submetido ao Registro do Congresso do 74º Congresso no Senado, nos EUA.  E desde então, temos feito pouquíssimo progresso no acompanhamento desta pesquisa. Você conhece alguma pesquisa mais recente sobre esse tópico?

Você ja pensou (ou não) que “uma cenoura é uma cenoura” – ou que uma é tão boa quanto a outra no que diz respeito à nutrição? Uma cenoura pode parecer e ter gosto de outra e, no entanto, uma delas pode carecer do elemento mineral específico que nosso sistema exige e que as cenouras deveriam conter.

É uma má notícia aprender com as autoridades principais que 99% do povo americano é deficiente nesses minerais e que uma deficiência acentuada em qualquer um dos minerais mais importantes realmente resulta em doenças. A verdade é que nossos alimentos variam enormemente em valor nutricional, e alguns deles nem valem a pena serem consumidos como alimento.

Algumas de nossas terras, mesmo as terras virgens, nunca foram bem equilibradas em conteúdo mineral e, infelizmente, para nós, nós temos “roubado” sistematicamente tanto dos solos pobres quanto dos solos bons as substâncias mais necessárias à saúde, crescimento, longevidade e resistência a doenças. Até o momento em que comecei a escrever o tema, quase nada havia sido feito para compensar este “roubo”.

Em uma gaiola com ratos normais nota-se a amizade entre eles. Mas restrinja-os cálcio, e eles se tornarão irritáveis e se separarão. Então eles começarão a brigar entre si. Restaure o equilíbrio de cálcio e eles ficarão mais amigáveis; com o tempo eles começarão a dormir empilhados uns nos outros como antes.

Rex Beach mostrou que os livros didáticos não são confiáveis porque muitas das análises apresentadas neles foram feitas há muitos anos, talvez a partir de produtos cultivados em solos virgens, enquanto nossos solos foram constantemente esgotados.

Recentemente, a Associação Médica Sulista dos EUA, percebendo a falta de esperança de tentar remediar deficiências nutricionais sem recursos positivos para trabalhar, recomendou um estudo cuidadoso para determinar o conteúdo mineral real dos alimentos e suas variações devido ao esgotamento nutricional do solo em diferentes localidades. Esses médicos progressistas estão atentos à importância da prevenção.

Dr. Northen foi ainda mais longe e provou que as culturas cultivadas em solo adequadamente mineralizados eram maiores e melhores, que as sementes germinaram e cresceram mais rapidamente, bem como resultaram em plantas maiores; que as árvores eram mais saudáveis e produziam mais frutos e de melhor qualidade.

“Uma planta saudável, todavia, cultivada em solo adequadamente equilibrado, pode e resistirá à maioria dos insetos-praga. E esta característica faz com que seja um produto alimentar melhor. Você tem germes de tuberculose e pneumonia em seu sistema, mas é forte o suficiente para jogá-los fora. Da mesma forma uma planta realmente saudável, chega bem próxima de cuidar de si mesma na batalha contra insetos e pragas – e consequentemente dará ao sistema humano o que é necessário”.

Por exemplo, em um laranjal gravemente infestado, quando restaurado o equilíbrio mineral em parte do solo, as árvores que cresciam naquela parte ficavam limpas, enquanto o restante permanecia doente. Pelos mesmos meios, ele cultivou roseiras saudáveis nas entre-linhas que costumavam ser cheias de insetos.

Dr. Northen cultivara plantas de tomate e pepino, saudáveis e doentes, onde as trepadeiras se entrelaçavam. Os insetos devoravam os doentes e recusavam-se a tocar as plantas saudáveis! Ele me mostrou análises interessantes de frutas cítricas, cuja química e o valor dos alimentos refletiam com precisão o tratamento do solo que as árvores haviam recebido.

“Os solos seriamente deficientes em minerais não podem produzir plantas competentes para manter nossas necessidades, e com a colheita e o transporte contínuos desses concentrados, a condição piora”.

‘Uma maneira certa de acabar com a suscetibilidade do povo americano à infecção é fornecer através dos alimentos de forma racionada e equilibrada ferro, cobre e outros metais. Um organismo fornecido com uma dieta adequada a, ou de preferência acima de todos os requisitos minerais, pode utilizar esses elementos de modo a produzir imunidade contra infecções muito além de qualquer coisa que possamos produzir artificialmente pelo nosso método atual de imunização. Você não pode compensar a deficiência usando medicamentos patenteados’.

“Houve um tempo em que a terapia médica não possuía padrões, porque os elementos terapêuticos dos medicamentos ainda não haviam sido determinados com base química. A indústria farmacêuticaa mudou isso. O estudo da química dos alimentos, por outro lado, dependeu quase inteiramente das agências governamentais para sua pesquisa e, em nosso conhecimento real dos valores, estamos onde a medicina estava há um século”.

“As doenças atacam com toda a certeza e de maneira mais cruel as plantas, animais e seres humanos desnutridos e inaptos, e quando a importância desses elementos minerais imcompreendidos for plenamente percebida, a química da vida terá que ser reescrita. Ninguém conhece sua capacidade mental ou corporal, quão bem se pode sentir ou quanto tempo pode viver, pois todos somos aleijados e fracos. É uma tragédia para a ciência. Felizmente, essa química está sendo reescrita e estamos a caminho de melhorar a saúde retornando ao solo as coisas que roubamos dele”.

“É mais simples curar solos doentes do que pessoas doentes – qual devemos escolher?”

Deixe uma resposta

Fechar Menu
pt_BRPortuguese
en_USEnglish pt_BRPortuguese